Jarbas J. Silva

...se eu não tiver amor, nada serei!

Textos

ADEUS
ADEUS


Eu precisava desabafar. A angústia me corroía. Não sabia para onde ir. O que fazer. Com quem falar. Falar o quê. Pra quê. Por quê. O problema era meu. Só meu. Fora a minha última chance. A última. Chances são como os dias, são feitas para agarrarmo-nos a elas e delas tirarmos todo o proveito e ensinamento, pois não sabemos do dia de amanhã, nem se teremos outras chances. Bem, já foi, se para o bem ou para o mal, quem sabe.
O bar cheio, estranhamente uma garota só, sentada à mesa do canto. Os cabelos lindos, a cara horrível! Mas eu estava horrível, talvez eu a fizesse horrível. Desabafar, conversar, era só o que eu queria. A amizade é um imenso coração, não tem cara. Cheguei perto e perguntei-lhe:
— Batida de frente (estava irônico àquela noite)? — ela não entendeu. E como eu ía explicar-lhe que eu perguntara se ela havia sofrido um acidente automobilístico frontal? Fiz-lhe outra pergunta:
— Toma uma batida? (para não fugir do tema principal) — ela não entendeu de novo, vasculhou a bolsa de couro cru, retirou de dentro algo que colocou no ouvido esquerdo e logo entendi: ela não ouvia muito bem. Refiz a pergunta, talvez tenha sido sádico demais.
— Posso me sentar aqui? (não havia pensado: e se ela estava esperando o marido, ou o namorado, ou algum colega, ou parente?). Já estava sentado.
— Pode.
Agora que estava mais próximo dela, já não via tanta feiúra assim, meus olhos já não viam apenas sua face, mas agora percebia o brilho dos olhos, a luz no sorriso, a sinceridade...
— Desculpe, meu nome é Lauro...
— Suzana.
— Lindo nome!
— Obrigada, o seu também é.
— Esperando alguém?
— Esperança.
— Sua irmã?
— De todos nós.
O que ela quis dizer com aquilo? Eu estava irônico, mas não para brincadeiras. Perguntei:
— Como?
— A Esperança é irmã de todos nós. E eu a estou esperando.
— Mas esperança não se espera, se tem.
— Eu sei, por isso a espero, porque não a tenho mais.
Apesar de ainda um pouco confuso, tentei decifrar o que aquela garota estava me dizendo. Meu banco de memórias saía da sintaxe para a semântica. O que aquela garota dizia não fazia sentido imediato para mim, eu precisava de respostas diretas, não de figuras de linguagem. Eu tinha um problema, precisava dividi-lo, e no entanto estava diante de alguém que me parecia com um problema maior que o meu.
— Você não me parece com problemas, pelo menos é o que eu percebi. O único problema é você estar aqui sozinha em um lugar cheio como esse.
— Você está aqui agora.
— É...
— Você tem problemas?
— E quem não os tem! Mas já penso que posso solucioná-los, afinal deve-se sempre olhar para os lados e perceber que o nosso fardo nem sempre é o maior dentre o dos outros mortais!
— Você é sincero.
— É, às vezes até demais.
— Nunca se é sincero demais! A sinceridade não tem mesuração, ela é, simplesmente.
— Mas às vezes dói.
— O que dói não é a verdade, mas saber da verdade a mentira.
— Você é filósofa?
— Não, eu estou apenas morrendo...
— Desculpe, não entendi.
— Eu fui sincera, eu estou morrendo.
— Em que sentido, eu também estou morrendo, um pouco a cada dia.
— Eu sei, morre-se um pouco a cada momento, por isso vivamos todos os momentos!
— De quê?
— De desesperança.
Ri. Ri porque ainda não conhecia alguém que estivesse com essa doença e estivesse vivo, normalmente ela se suicida.
— Já tentou suicídio alguma vez?
— Não, eu não sou assassina. Seria a última coisa que eu faria comigo.
— Que bom! Pelo menos você ainda vai durar bastante tempo(estava sendo irônico de novo). Desculpe, estou apenas querendo quebrar esse clima mórbido.
— Você foi sincero novamente.
— É, mas irônico.
— A vida é irônica, se vemos um casal, em que o homem seja bem mais velho que a mulher, dizemos: logo aquele bate as botas e ela fica com tudo, e aí vem a vida, ou a morte, e leva a mulher primeiro, não é irônico?
— É, isso é verdade, mas eu não sou bem mais velho do que você, sou?
— Obrigada!
— Eu não fui irônico agora...
— Eu sei, eu sei que você não quis dizer que eu iria morrer primeiro do que você, eu agradeço por me fazer rir!
— Eu nem vi os seus dentes!? (ela riu, e era um riso vivo, saudável, transparente).
— Obrigada de novo! Eu estou com câncer.
O quê? (a pergunta ecoou internamente na mente, o quê? O quê? O quê? O que ela disse? Eu não entendi! Muita gente falando! O quê?)
— O quê?
— Eu estou doente, com câncer.
Essa palavra já é um câncer, ela dói, esquisito, mas a palavra dói, ela corrói as nossas vidas, os nossos sonhos, as nossas... esperanças!
— Quer falar sobre isso? (eu já não tinha mais problemas, nem mesmo sabia o que era isso).
— Eu já falei tudo, obrigada por me ouvir.
— Quer sair?
— Quero.
— ...
— ...
Na rua, caminhando, não falamos, tudo o mais falava por nós, estávamos solidários e impotentes.
— Adeus, e obrigada novamente!
— Adeus.

Jarbas J Silva
Enviado por Jarbas J Silva em 18/11/2009
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras