Jarbas J. Silva

...se eu não tiver amor, nada serei!

Textos

A vida por um fio
A VIDA POR UM FIO

Quisera ser índio, de antes, não de agora porque o agora não é índio, mas ser índio, não sei se livre, mas em  liberdade, parte do todo feito pelo Deus Supremo. Faria parte dos rios, subiria para respirar e mergulhar novamente; a água limpa me mostraria o peixe da minha fome; e a minha sede morreria no rio de água limpa. Montaria no rio vivo e ele me levaria serpenteando o caminho só dele feito por ele. Eu viveria só do rio vivo.
A terra me chamaria para morar com ela, ainda vivo. Dela retiraria a morada, que me abrigaria da chuva e do sol de Deus; nela a rede encontraria para deitar sem contas, sem o amanhã, deitaria apenas com o hoje. Levantaria com o sol e com os pássaros e com o ar limpo, e beberia da vida da terra. Nela não moraria a fome, nem o frio, nem o descaso. Eu viveria despido, também de preconceitos, de preocupações, de ilusões. Seria mais forte e mais sábio e mais sincero e mais inocente. Saberia o caminho do vento e quantas estrelas existem no céu; quando plantar e quando colher; quando perdoar.
Mas não o sou. Sou cidadão. Tenho direitos, e deveres. E uma Constituição. Não sei do rio, nem da terra que me chama. Sei da máquina. Sem ela não há vida, não há sardinha-em-lata, não há lápis com ponta, não há café moído; não há  exportação, nem importação, nem dólar. Não sei viver sem a máquina, é ela que me acorda e me faz o café; leva-me para o trabalho, faz-me trabalhar; sem ela não vejo a terra de longe, o rio de longe, a vida de longe.
E por fim é ela que não me deixa morrer, segura-me por um fio, ou dois, já não me lembro... É, Acho que podem ser mais, mas agora já não faz tanta diferença... a doença... a doença... há doença...

Jarbas J. Silva
Jarbas J Silva
Enviado por Jarbas J Silva em 01/03/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras