Jarbas J. Silva

...se eu não tiver amor, nada serei!

Textos

Amanhecia, não havia ninguém na rua
“Amanhecia, não havia ninguém na rua.”

Acordei dormente. A janela me mostrava um dia sorrindo. Levantei-me e arrastei-me até ela. Lá fora, a rua dormia. As casas, com seus olhos fechados, recebiam os primeiros afagos do sol. O jornal, entre as grades do portão, pedia-me que o livrasse, pois queria-me falar do ontem. Fui até ele. Não o livrei imediatamente, mas, de pijama, quis ir até a rua.
Por ter o sol mal se levantado, as árvores, os postes, os sobrados, seguravam boa parte da luz que teimava em se esgueirar por entre os espaços deixados pelos obstáculos. O silêncio dominical deitado naquela rua era embalado pelos sabiás, canários, bem-te-vis. O ar claro e o cheiro de sol me dopavam e eu, eu só, permanecia ali, plantado. Não havia nenhum outro eu, todos os outros eus... os outros...
A rua dormia, e não seria eu a acordá-la naquela manhã de domingo. Entrei. Ainda de pijama, fui verificar o que aconteceu ontem. Voltei à janela, e o dia ainda sorrindo mostrava-me o despertar dos olhos das casas com seus aromas de café.
Jarbas J Silva
Enviado por Jarbas J Silva em 13/04/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras